Home Destaque 5 dicas para adaptar o seu negócio para o novo consumidor
Inspiration and great idea concept. light bulb with crumpled colorful paper on blue background.

5 dicas para adaptar o seu negócio para o novo consumidor

0
977

A pandemia trouxe uma nova realidade para o varejo brasileiro. Mesmo que algumas circunstâncias já estavam sendo sinalizadas como tendências pelo mercado a médio e longo prazo, foi no sufoco que os lojistas se viram obrigados a antecipar as mudanças para poder atender essa nova demanda.

Transformação digital, otimização dos processos internos, medidas de biossegurança no ponto de venda foram algumas das necessidades que o varejo precisou absorver em poucos meses. O consumidor passou a querer as compras com rapidez e se adaptou à praticidade de realizá-las virtualmente, seja por um contato informal nas redes sociais ou pela plataforma virtual da loja.

Hoje vamos falar um pouco mais sobre como o comportamento do consumidor mudou durante a pandemia – e o que você precisa fazer para atendê-lo melhor. Vamos?

As compras durante a pandemia

De acordo com estudo divulgado pelo Think With Google, os consumidores brasileiros que foram entrevistados deixaram claros seus novos hábitos mostrando como fizeram as compras no início da pandemia: 29% disseram que passaram a pesquisar mais antes de comprar e 27% recorreram mais à internet para reduzir as idas às lojas físicas.

Houve ainda aqueles consumidores (23%) que também aproveitaram a “coronacrise” para comprar mais de pequenas lojas com o objetivo de ajudar a economia local.

Outros 10% dos consumidores responderam que pretendiam canalizar as compras online apenas em poucos lojistas, ou seja, a experiência de compra vai fazer a diferença para a fidelização desses clientes à marca.

Já que o consumidor está pesquisando mais antes de comprar o produto, sua loja está preparada para convencê-lo de que o seu mix é o mais vantajoso para ele?

O carrinho de compras do consumidor

carrinho de supermercado com compras

De acordo com o Google, como mais de 60% dos brasileiros passaram a ficar mais tempo com a família durante a pandemia, as decisões de compra também ficaram mais compartilhadas, o que influencia diretamente no carrinho de compras.

Os itens mais buscados pelos consumidores na busca da plataforma foram os produtos de higiene pessoal, de limpeza e os alimentos perecíveis e não perecíveis.

O estudo foi feito em abril, em parceria com a Mindminers, tendo as categorias de cuidados pessoais liderando as pesquisas. Veja o que mais teve destaque:

Loja física não perdeu espaço

Não se preocupe se você ainda não está atuando com algum canal digital na sua loja ou se teme uma baixa das lojas físicas com os novos hábitos dos consumidores. É que o shopper não pretende, tão cedo, abrir mão de recorrer ao ponto de venda.

É verdade que grande parte das pessoas se viu obrigada a incorporar novos hábitos de compras na quarentena. Só que a visita à loja física não foi deixada de lado e, muitas vezes, pode ser uma referência para complementar as compras online.

Confira o perfil das compras pós-reabertura das lojas na quarentena, de acordo com o Google:

  • 12% comprariam a maior parte dos itens em lojas físicas e o restante virtualmente;
  • 17% dos consumidores comprariam apenas em lojas físicas;
  • 24% comprariam a maior parte online e o restante nas lojas físicas;
  • 25% comprariam apenas online.

O mesmo estudo ainda revelou que 40% dos consumidores começaram a comprar mais em comércios locais desde o início do isolamento social.

Como está a sua logística?

Nesse novo perfil do consumidor, não podemos nos esquecer de citar outro setor importante da loja: o logístico. Essa área tem feito muita diferença para a satisfação do shopper e pode ser um grande diferencial para a loja. Com base nas impressões do Google, destacamos três novos hábitos que sofreram transformações nos últimos meses:

  • Aumento da cesta de produtos e/ou carrinhos de compra;
  • Aumento das entregas com carro;
  • Aumento de pedidos via delivery.

Esse aumento no número de pedidos por delivery é um sinal de que a conveniência da entrega na porta da casa do consumidor vai continuar sendo considerada por ele após a pandemia. Não é por acaso que 37% dos brasileiros conectados passaram a usar o serviço com maior frequência e 27% deles reduziram as idas aos supermercados.

O crescimento mundial dos aplicativos de entrega para itens de supermercado e farmácia era esperado pelo mercado para daqui dois, três anos. Porém, a realidade foi antecipada pela pandemia.

O que devo fazer?

mulher pensando

Agora que você já tem uma boa noção das principais mudanças comportamentais no universo consumidor, deve estar se perguntando: como será o varejo pós-Covid?

A questão é que, mesmo passando um longo período de mudanças, o varejo ainda segue se reinventando para que se consolide no “novo normal”.

Ainda é difícil ter em mãos a receita certa, mas com certeza algumas percepções ajudam o mercado a se preparar pelo que está por vir com base nas experiências que já têm sido vivenciadas. Então, vamos a cinco dicas importantes para você não errar e se adaptar em 2021:

1. Invista em produtos que estão em alta

Alimentação, saúde e higiene são algumas das categorias que estão sendo priorizadas na lista de compras do shopper. Se a sua loja tem público, perfil e espaço, invista nesses segmentos para atrair o consumidor. O álcool em gel, por exemplo, virou item de necessidade básica em todos os lares e estabelecimentos comerciais.

Outros produtos que também remetem a essa ideia de segurança e higiene para enfrentar esse tipo de vírus fazem parte da rotina do consumidor. Podemos destacar aqui os higienizadores para as mãos e as máscaras de proteção facial.

Alimentos e a categoria de bebidas figuram entre os mais comprados também no e-commerce brasileiro, já que o brasileiro passou a ficar mais em casa e reduziu os gastos com a alimentação em restaurantes.

O mercado pet, como atividade essencial, também teve alta no consumo e os produtos agroveterinários precisam estar em destaque nas gôndolas.

2. Fortaleça a loja nos canais digitais

Algo que não resta dúvidas é que o consumidor gostou de ver a loja presente nas redes sociais para realizar pedidos com poucos cliques e caracteres no WhatsApp, ou mesmo pelo Instagram ou no “direct” do Facebook. É preciso fortalecer a sua marca nesses canais e manter o bom relacionamento com o cliente.

A tendência é que esse ano as redes sociais e plataformas de e-commerce se tornem ainda mais fortes e, com isso, o varejo será mais potencializado com as vendas crescentes por meio desses canais.

E nunca se esqueça: esteja sempre apto a atender o cliente que faz o contato pelas redes o mais prontamente possível. Deixe ao menos mensagens automáticas com informações complementares, contato, horário de atendimento, etc.

3. Repense as estratégias

Talvez seja necessário rever os processos da loja e traçar novas estratégias para atingir o consumidor desse “novo normal”. Além de questões como manter o distanciamento e a boa higienização da loja até que se consiga combater definitivamente a Covid-19, você terá que adotar outras práticas para adaptar o seu negócio.

Estabeleça metas e desafios que te ajudem a atingir esse consumidor. O bom atendimento, as formas de entrega e pagamento, tudo isso faz uma enorme diferença no processo de compra dele.

Dê uma maior atenção também para os contatos feitos pelas redes sociais, talvez deixar um funcionário dedicado a isso ou com rodízio da função entre os vendedores seja interessante.

Tente organizar sua equipe de vendas de forma que os atendimentos sejam mais ágeis e a burocracia de processos internos reduzida. Essa dica serve tanto para o varejo online, onde o consumidor busca agilidade mesmo, quanto para o ponto de venda, onde a aglomeração é inadmissível e o shopper quer ficar o menos tempo possível dentro da loja.

4. Esteja aberto a negociar

Toda mudança exige algum sacrifício. No varejo a regra é a mesma. Não perca seu cliente para a loja concorrente e esteja sempre pronto para tentar negociar e ser mais flexível nas vendas, com parceiros e até com seus colaboradores.

A crise afetou praticamente todos os setores e as classes sociais. Tentar reduzir os preços de algumas categorias, fazer ações promocionais e compensar em outros itens podem ser algumas das ações para aplicar na sua loja. Abra as portas para o consumidor!

5. Reinvente o negócio com práticas ecológicas

O consumo consciente já era uma forte tendência do mercado varejista e a crise despertou ainda mais a necessidade de ter responsabilidade social. Isso significa que os seus clientes estão buscando consumir produtos que gerem menor impacto ao meio ambiente.

Algumas práticas ecológicas podem te ajudar a ganhar mais pontos com esse público, como trocar a embalagem plástica pelas recicláveis e biodegradáveis, oferecer espaço para coleta de materiais reciclados ou para uma destinação de descarte – é o caso das pilhas, por exemplo.

É isso. Espero que tenha gostado da leitura de hoje e que você consiga aplicar um pouco do que falamos. Pode apostar que vai ser bom para o seu negócio e para o incremento nas vendas. E lembre-se de contar com o Martins como seu parceiro para abastecer a sua loja.