Você sabe o que é ESG? Preste muita atenção nesta sigla. Ela vem ganhando cada vez mais espaço no ambiente corporativo e no varejo. O ESG é a sigla para melhores práticas ambientais, sociais e de governança.

Esses critérios vêm sendo ainda mais cobrados pelos consumidores, que buscam informações sobre a conduta das lojas quanto às ações de sustentabilidade.

E não estamos falando aqui apenas pelo ponto de vista ambiental. O entendimento sobre o ESG é muito mais amplo. Diz respeito a todo o ambiente de negócio e às relações com funcionários e fornecedores.

Além disso, a preocupação que a empresa demonstra com a sociedade, ações de diversidade e inclusão e até a com a segurança de dados de clientes.

Hoje não se trata apenas de lucrar a todo custo. É preciso assumir responsabilidades e dar retorno responsável aos consumidores e a sociedade como um todo.

Quando o varejo se adapta ao universo do ESG, os impactos podem ser bastante positivos para a marca, melhorando o relacionamento com o público e com certeza impactando no faturamento.

O que é ESG?

Agora que você já tem uma noção sobre os critérios ambientais, sociais e de governança (ESG), vamos aprofundar um pouquinho mais o nosso estudo?

A análise desses critérios é importante para ajudar a melhorar o desempenho financeiro dos negócios. Um conjunto de ações que as empresas socialmente conscientes devem adotar nas operações diárias.

Na prática, aplicar o ESG na sua loja é uma forma de reduzir erros e melhorar a performance do negócio em todos os sentidos. No relacionamento com o cliente, nas relações de trabalho , evitando injustiças sociais e trabalhistas, entre outros.

Vamos então dividir esses critérios em três categorias que permeiam o ESG para facilitar o entendimento para você.

1. Sustentabilidade

Quando consideramos os critérios ambientais, pensamos na empresa que se preocupa com a preservação da natureza. Além disso, que adota práticas realmente eficazes de sustentabilidade.

Essa já vem sendo uma demanda antiga da sociedade. A pauta ambiental faz com que muitos consumidores passem a exigir uma postura mais firme do varejo, inclusive sobre a origem dos produtos que são vendidos.

“Será que essa loja que eu compro é realmente sustentável? Prioriza produtos que não ofereçam danos ao meio ambiente?”

De acordo com um estudo feito pela Accenture, consumidores e colaboradores passaram a ocupar as primeiras posições no ranking de agentes que cobram essa postura “mais sustentável” das empresas.

O engajamento da população também cresceu como um todo (85%) nesses temas nos últimos dois anos. Por isso é tão difícil pensar o varejo atualmente sem pensar na agenda ESG.

2. Social

Esse segundo critério do ESG analisa a forma como o varejo lida com as relações sociais dentro e fora do mercado. Como são gerenciados os funcionários, como é o atendimento e fidelização do consumidor, como é mantido um bom relacionamento com fornecedores e parceiros, além da representatividade na comunidade local.

Um termômetro para aferir muito bem se as empresas estão adotando os critérios sociais de ESG, é saber até onde vai a preocupação dela com as pautas sociais, por exemplo.

As empresas precisam trabalhar políticas de inclusão social, de apoio à diversidade de classe, etnias e gênero. A propósito, a igualdade de gênero deve ser imperativa dentro da empresa. Nada de preconceitos ou diferença salarial para o mesmo cargo em razão da condição de ser mulher.

A capacitação das pessoas em situação de vulnerabilidade social, para que também tenham oportunidades igualitárias de trabalho, é outro diferencial para os critérios sociais de ESG.

3. Corporativa

Neste último tópico vamos falar dos critérios de governança, mas ampliando para todo o ambiente corporativo. Aqui vamos tratar sobre a gestão do negócio, desde a liderança aos controles internos.

A governança corporativa dos indicadores ESG também pode englobar os critérios sociais e ambientais. Porém, sob o ponto de vista interno da empresa. Por exemplo: ações de transparência e políticas de combate à corrupção e a fraudes dentro do negócio.

Os direitos dos sócios, o código de ética e toda a política empresarial da empresa devem ser tratados com esse indicador. São esses pontos que vão transparecer para os seus consumidores os princípios e valores que a sua loja preza.

A governança como indicador ESG vai trazer inúmeros benefícios para a sua loja como: reputação mais consolidada da marca perante o público consumidor, eficiência dos procedimentos internos e a redução de falhas e perdas.

Além disso, faça uma boa prestação de contas, seja transparente e também responsável em todas as ações. É assim que a governança corporativa será aplicada e reconhecida na sua loja.

5 passos para aplicar o ESG no Varejo

As pautas sociais, as mudanças climáticas e a segurança dos negócios já estão transformando o varejo mundial e precisam ser tratadas com urgência em qualquer canal de vendas. O ambiente corporativo passou a ter muita relevância nesses debates e é o que o consumidor espera das empresas.

Pois bem. Você já sabe o que é ESG e a importância dos indicadores para a sua loja. Então, vamos mostrar algumas sugestões para você começar a aplicar o ESG no seu varejo.

1. Planejamento responsavelmente social

Parece meio óbvio, mas é isso mesmo. Você precisa primeiramente traçar o planejamento que pretende alcançar para ser uma loja que realmente tenha responsabilidade social.

Estude medidas e ações que você pode adotar para contribuir com o desenvolvimento sustentável da sua comunidade e da sociedade como um todo. Depois, é só colocá-las em prática.

2. Defina a missão e valores

Caso ainda não tenha bem definidos a visão, a missão e os valores da sua empresa é hora de providenciar esses princípios para melhorar o ambiente organizacional. Além disso, para deixar claro para o consumidor qual o propósito da loja.

Essa ferramenta é importante para a gestão da empresa e para a reflexão sobre o presente e o futuro do negócio.

3. Defina ações e metas

Você vai precisar delimitar ações e metas que sejam transparentes e alcançáveis para todos os membros da empresa. É preciso ter um prazo para que elas sejam executadas e ter um objetivo muito claro.

Um exemplo clássico é quando a empresa passa a investir em ações sustentáveis dentro da própria loja, como aderir ao consumo de energia sustentável e redução no consumo de água.

4. Invista em capacitação

Uma forma eficaz de aplicar os indicadores do ESG na loja é com investimento em treinamentos de lideranças e capacitação dos colaboradores. Todos os integrantes do ambiente corporativo precisam estar alinhados nas metas da empresa para poder alcançar os resultados desejados.

Além disso, eles também precisam conhecer a importância dos critérios ESG para a loja e para a boa convivência deles no ambiente de trabalho.

5. Busque apoio

Já ouviu falar no ditado popular que “uma andorinha só não faz verão”? Pois é. Não faz mesmo. Você vai precisar estender as ações de ESG para toda a comunidade. Para isso, terá que contar com a colaboração dos funcionários, fornecedores e consumidores.

A sua loja pode até iniciar a ação de ESG, mas para uma ampla execução é necessário que todos façam a sua parte.

Agora você está mais do que preparado para aplicar ESG na sua loja. O feedback dos seus parceiros e consumidores também será de grande valia para você mensurar os resultados das ações na loja.

Antes de ir, dê uma passadinha no texto sobre os princípios da LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados. Proteger os dados pessoais dos clientes também impacta no desempenho do varejo e na sua relação com pessoas, com a comunidade em que atua.

Até a próxima!