Aqui no Martins.com.br você encontra o melhor do mix da Concha Y Toro.

No fim da publicação tem presente para você 😉

 

Como apreciar os Assemblages

A combinação de cepas pode nos confundir na hora de escolher um vinho ou outro: os assemblages tendem a ser vinhos de maior complexidade, com mais texturas e sabores. Aqui compartilhamos algumas dicas para aproveitar ao máximo na hora de beber um assemblage.

Para entender o que são os assemblages e como apreciá-los em diferentes ocasiões, devemos primeiro decifrar suas características.

Varietal ou Assemblage?

Costumamos pensar que um vinho varietal, é apenas aquele que não passou por um período de guarda em barrica ou que é de um nível inferior ao Reserva. Isto está correto, mas além disso, são chamados varietais aqueles vinhos que são produzidos somente com uma mesma cepa: um Chardonnay, Cabernet Sauvignon ou Carmenere padrão, por exemplo.

Todos aqueles vinhos que possuem combinações, sejam de diferentes variedades ou inclusive de uma mesma cepa, porém de variadas procedências, são chamados assemblagens, blends, de corte, entre outros nomes.

 


Assemblage é sinônimo de vinhos interessantes

As combinações de cepas são usadas para aprimorar a expressão final do vinho: permitem potencializar aromas, texturas, corpo, cor e oferecem uma sensação de complexidade e delicadeza muito agradáveis.

Estas mesclas resultam interessantes pelas características únicas que definem cada vinho: as possibilidades são infinitas na hora de testar assemblages.

Não existem somente assemblages de cepas

Os enólogos possuem liberdade total na hora de produzir um assemblage: normalmente guardam algumas barricas de certas variedades e de determinadas origens, para logo serem mescladas em diferentes proporções e chegar ao produto final. É como alcançar a fórmula perfeita entre balanço, texturas, aromas e complexidade.

É por isso que nas etiquetas podemos distinguir principalmente dois tipos de assemblages: vinhos produzidos a partir de diferentes cepas (com porcentagens variáveis de cada tipo de uva), como também blends compostos por uma mesma cepa, porém de vales ou origens diferentes.

 

 

Existem assemblages tintos e brancos

Embora os assemblages tendem a ser de vinhos tintos e os vinhos brancos tendem a ser engarrafados de uma única variedade, existem delicadas e maravilhosas exceções de assemblages brancos, tanto de diferentes cepas como de diversas origens.

Pinot Noir, por exemplo, é uma das cepas tintas difíceis de encontrar em assemblages, por suas características diferenciadas e delicadeza que costuma perder qualidade ao ser misturada com outras variedades.

São vinhos únicos, feitos à mão

Existem enólogos que combinam diretamente nas cubas de aço inoxidável e que preferem não guardar seus assemblages em barricas. Existem outros que guardam os assemblages por meses e, inclusive, por anos em barrica, enquanto também existem aqueles que somente os guardam por um par de meses antes de engarrafar.

 

Alguns deixam que os vinhos fermentem juntos do princípio ao fim e a maioria prefere manter cada variedade fermentada e guardada pelo tempo que considerem adequado para, posteriormente, criar o assemblage final.

Mais uma vez, o objetivo é aproveitar o melhor de cada uma das variedades e cada enólogo e vinícola determina qual será a técnica ideal para que seus assemblages sejam reconhecidos por sua elevada qualidade e complexidade.

Nossos assemblages recomendados

 

A linha Trio de Concha y Toro, liderada por Ignacio Recabarren, reconhecido pela renomada revista Decanter como um dos melhores enólogos do mundo, desenvolveu quatro assemblages premium cheios de energia, complexidade e que ajudam a brindar harmonia a quase qualquer preparação.

Trio Cabernet Sauvignon, com porcentagens de Cabernet Franc e Syrah do Vale do Maipo, ideal para acompanhar cortes bovinos na grelhaensopados condimentados ou o clássico cordeiro no espeto.

Trio Merlot, Carmenere, Syrah do Vale de Rapel, especialmente pensado para harmonizar com massas e pizzas com ingredientes delicados; gratinados de berinjelas ou risotos.

Trio Chardonnay, Pinot Grigio, Pinot Blanc, do Vale de Casablanca, é um assemblage branco delicado que se destaca por sua acidez persistente e versatilidade para acompanhar receitas. Combina perfeitamente com cevichescomida thai ou de influência asiática em geral.

Trio Sauvignon Blanc é um assemblage da mesma cepa, porém de diferentes procedências, para oferecer maior sofisticação. Neste caso, uvas dos Vales de Casablanca e Rapel que acompanham perfeitamente caldos de mariscos ou peixessaladas e queijos frescos, entre outros.

 

Via Concha Y Toro.

Por Sonia Galleguillos / 11 de Maio de 2017 
Chefa de Imprensa Internacional

DEIXE UMA RESPOSTA:

Please enter your comment!
Por favor, insira seu nome

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.