Home Dicas Covid-19 O que é estoque mínimo? Como aplicar o método?
Young man working at a warehouse with boxes

O que é estoque mínimo? Como aplicar o método?

0
446

A pandemia do novo coronavírus trouxe preocupações que antes, para pequenos varejistas, eram completamente intuitivas. O cálculo do estoque mínimo, por exemplo, é feito de cabeça por muita gente – só que agora tudo está muito arriscado para seguir no modelo de sempre.

 

Grandes redes de supermercado têm vários cálculos para saber quando pedir um produto. Elas usam esse método porque vendem muito, claro, mas também porque não podem perder vendas com rupturas.

E agora, com a intenção de compras mudando, quase que a cada semana, é comum que muitos varejistas fiquem confusos na hora de fechar um pedido. Ontem ninguém comprava álcool em gel, mas hoje teve ruptura de gôndola porque vendeu demais.

Estoque ou armazém cheio de produtos de vários tipos.

Como resolver? Continue na leitura para descobrir. Vamos lá?

O que é o cálculo de estoque mínimo?

O cálculo te mostra, em números, quando um produto está perto de acabar. Ou seja, ele te diz a quantidade mínima daquele produto que seu estoque sempre tem que ter.

Pense aí na sua loja. Você já deve estar vendendo álcool em gel a essa altura do campeonato, se já não estava. Quando você compra mais? Quando está perto de acabar, não é? Mas como você define o “perto de acabar”?

É isso o que eu estou querendo dizer quando digo que o cálculo de estoque mínimo é feito na cabeça por muitos varejistas. Só de olhar a quantidade você já sabe se tem que comprar ou não.

Só que isso é arriscado. Quando vem uma crise, você não pode perder nenhuma venda. E um dia de ruptura de gôndola significa um dia inteiro que aquele produto não vendeu.

Por meio de um cálculo bem simples, é possível definir um jeito muito mais objetivo qual é a hora de comprar um produto. Ou seja, quando ele chegar a X unidades, é sinal que você precisa comprar.

Para entender melhor, vamos dar uma olhada no cálculo:

O cálculo do estoque mínimo

A fórmula é muito simples:

Estoque mínimo = consumo médio por dia X tempo de reposição

O que complica pra muita gente é entender qual é o consumo médio e ter esse tempo de reposição padronizado e documentado.

Mãos de uma pessoa repousada sobre um relatório com gráficos e usando a calculadora.

Mas isso você já consegue resolver agora. Pegue aí a nota fiscal do mês passado de um pedido que você fez. Agora separe um desses produtos. Quantas unidades você comprou? Vamos supor que você escolheu o álcool em gel e comprou 500 unidades.

Agora vá no seu estoque. Quantas unidades você ainda tem? Vamos supor que são 12. Então seu consumo total desde a última compra foi de 488 produtos, certo?

Agora pense: quantos dias se passaram desde essa última compra de álcool em gel? Vamos supor que foi um mês redondinho. Isso significa que, durante esse mês, você teve um consumo médio de 488 álcoois em gel. 488 por 30 é 16,2. Arredonde pra 17 por segurança e pronto, esse é seu consumo diário em média.

O tempo de reposição é o intervalo entre o pedido feito com o fornecedor e o caminhão parado aí na sua porta. Vamos supor que esse tem seja de 7 dias.

Pronto, agora é só calcular:

EMin = Consumo médio por dia X tempo de reposição
EMin = 17 X 7
EMin = 119

Então, quando esse produto chegar a 119 unidades, é hora de pedir mais ok? Esse é o cálculo do estoque mínimo. Fácil, né?

O que é estoque máximo? Como calcular?

Bom, se você entendeu o que é estoque mínimo, saber o que é estoque máximo é moleza. Basicamente, é a quantidade máxima daquele produto que você pode ter no seu estoque de maneira a não representar prejuízo pro seu negócio.

Carregador de estoque com caixa na mão procurando espaço no depósito.

O prejuízo pode vir de várias formas:

  • Você gastou mais do que podia naquele produto sem necessidade, e atrapalhou as finanças do mês;
  • Estoque muito cheio aumenta o risco de dano às mercadorias;
  • Você pode “esquecer” do produto e comprar de novo;
  • Ele pode se sujar ou ficar com aspecto desagradável, inviabilizando a venda;
  • No caso de produtos perecíveis, eles não podem ficar armazenados por muito tempo;

O estoque máximo resolve todos esses problemas. Para calculá-lo, você precisa primeiro saber o estoque mínimo. Depois é só fazer essa conta:

EMax = EMin X Caixa de reposição

A caixa de reposição é a quantidade de produtos que vêm na embalagem que você costuma comprar. Olha um exemplo:

Print do site do Martins.com.br com produto álcool em gel.

O Martins.com.br sempre mostra quantos produtos tem na caixa. Então vamos seguir com o mesmo exemplo de antes:

EMax = Emin X Caixa
Emax = 119 x 12
Emax = 1.418

Muito fácil, não é? O mais difícil disso tudo é ter o controle dessas informações. Ninguém entra no estoque, dá uma olhada rápida e fala “Ah, não preciso comprar álcool em gel, ainda tenho 237 unidades”. Mas, veja o que eu te recomendo:

Organize seu estoque com a planilha do Martins

Você precisa de uma planilha pra ficar de olho no estoque mínimo e estoque máximo. Sem essa ajuda, não tem como controlar nem um produto, que dirá sua loja inteira.

Mas não precisa se preocupar, amigo varejista. O Martins tem uma planilha grátis de controle de estoque pra você monitorar seu estoque mínimo e máximo fácil, fácil.

E ela ainda tem outras funcionalidades, como o controle de saída de produtos para o caixa e a possibilidade de cadastrar SKUs (códigos identificadores) para cada um.

Perde tempo não, baixe agora! Ela é gratuita. Ah, e acompanhe também minha série sobre a Covid-19 com várias dicas, oportunidades e estratégias para você se adaptar a esse novo período.

A gente se vê no próximo texto!