Marketplace? B2B? E Marketplace B2B? Piorou né?! Talvez você não saiba o significado de nenhum dos termos, a gente te explica.

Primeiro precisamos entender o termo B2B. Quando falamos em venda B2B, nos inspiramos no inglês para dizer que se tratam de negócios realizados de empresa para empresa, ou seja, de Business to Business.

A transação se diferencia do tradicional varejo, o B2C (também do inglês, Business to Customers), tipo de relação de compra e venda entre comércio e cliente, na qual o foco da empresa está nos consumidores finais – qualquer pessoa física.

Vamos exemplificar: quando um hotel encomenda colchões de um fornecedor que trabalha com esse tipo de produto, ele está fazendo um negócio B2B. Já quando um indivíduo – você que está lendo, por exemplo – entra em uma loja de móveis e compra uma unidade de colchão, a transação feita é B2C – do comércio varejista para o consumidor final.

Diversas garrafas de corpo transparente enfileiradas em linha de produção. Algumas possuem tampas amarelas.

Até aqui tudo bem. Mas, afinal, o que é um Marketplace B2B? Por enquanto, adiantamos que – para quem tem um negócio – estar por dentro do que é e como funciona o Marketplace B2B é fundamental. Esta é uma ferramenta criada para facilitar a comercialização entre empresas, sendo uma alternativa especialmente interessante para vendas da indústria e compras no atacado.

O que é o Marketplace B2B?

Marketplace é um modelo de negócios que conecta vendedores e compradores através de uma plataforma online. Dentro dela, as empresas têm as suas páginas e por meio delas disponibilizam ofertas direcionadas a clientes ou, no caso do B2B, a outras empresas.

Para entender o Marketplace B2B, nada melhor do que pensar em exemplos, como a Amazon Business, o eBay e o Grupo Alibaba. Esses são os protagonistas do segmento no cenário global, conduzindo um mercado que tem movimentado milhões a cada ano. Aliás, de acordo com a Frost&Sullivan, até 2020 serão 6,7 trilhões de dólares movimentados pelo setor.

Você já deve ter acessado algum Marketplace, mesmo sem saber. Grandes lojas online, como Americanas.com, Magazine Luiza e até mesmo o Martins, possuem como opção a compra por meio de uma plataforma como essa e algumas vezes o cliente nem percebe a diferença.

Essas grandes lojas online são Marketplaces. Além de venderem seus próprios produtos, agregam outros vendedores e fabricantes aos próprios sites. Por exemplo, no Martins, é possível comprar diretamente da fabricante Ortobom. No fim, a qualidade é da indústria de colchões mais famosa do Brasil e a praticidade é do maior atacado distribuidor do país.

Na prática, o Marketplace B2B funciona da mesma maneira que qualquer loja online que você acessa como consumidor, ou seja, entra em um site e pesquisa os produtos e preços para uso pessoal.

Como funcionam os Marketplaces B2B?

O sistema de Marketplace possui duas faces: uma para o cliente e outra para o lojista.

Para o cliente, a plataforma é apenas uma, não sendo redirecionado nem havendo qualquer complicação na hora de fechar a compra. Ao entrar no site, o cliente se depara com uma loja online comum, com as opções de mercadorias de diferentes preços. As informações de venda e entrega aparecem normalmente e a compra é garantida pela plataforma.

para o lojista, o Marketplace toma um outro formato. Ele possui uma interface diferenciada, para que os lojistas, fornecedores ou fabricantes possam fazer o upload de seus produtos nas “prateleiras” que serão expostas para o consumidor e, ainda, um painel completo para que possam monitorar as suas vendas. Após se cadastrar e ser aprovado na plataforma, o lojista passa por uma série de testes para que ambos possam ter certeza de que a venda será bem sucedida. Depois de concluídos os exames de vendas e que os produtos estiverem devidamente cadastrados, o vendedor poderá ativar sua loja online para que os produtos sejam finalmente colocados à venda na plataforma.

Na interface, a empresa fornecedora terá acesso somente aos dados dos seus produtos. Já os clientes – no caso do B2B, empresas interessadas em comprar no atacado – têm acesso aos itens de todos os vendedores do Marketplace.

Como anunciar no Marketplace B2B?

Entre as mais diversas vantagens que podemos citar sobre anunciar nas plataformas de Marketplaces, uma se destaca: praticidade.

E quando falamos sobre praticidade, estamos falando sobre o seu produto sendo anunciado como destaque dentro de um e-commerce que possui milhares de acessos por dia. Utilizando esse recurso, a empresa vendedora elimina diversos esforços que seriam necessários para que o cliente tivesse acesso à loja.

É tudo muito bom, mas fique atento às regras. Para iniciar a sua loja em um Marketplace, você precisa estar formalizado no mercado e com os impostos em dia. É necessário ter CNPJ (com Inscrição Estadual ou Municipal, de acordo com o seu enquadramento para emissão de notas fiscais), Razão Social, Nome Fantasia, CEP de postagem, contato dos responsáveis pelo comercial, financeiro e jurídico, conta de pessoa jurídica, etc – as exigências variam de acordo com a plataforma.

Marketplace B2B do Martins? Já quero!

Vamos para um exemplo mais próximo. O Martins.com.br é um Marketplace B2B, sendo um dos primeiros atacadistas brasileiros a dar esse salto.

O que isso significa? Com o Marketplace B2B do Martins.com.br, você pode cadastrar seus produtos diretamente na plataforma, caso sua indústria passe pelos requisitos. Essa é uma maneira de democratizar o espaço de vendas do Martins, que se torna mais dinâmico e aberto para vários negociantes, assim como mais assertivo no oferecimento de produtos para o consumidor Pessoa Jurídica.

Duas portas de armazém de estocagem, com plataformas elevadas para carregamento de caminhões.

Para firmar uma parceria hoje e começar a vender no Martins.com.br, o Marketplace é a opção mais descomplicada. Cadastrando sua empresa como fornecedora da plataforma, você vende online, ao lado de algumas das maiores indústrias do Brasil e do mundo.

Como se organizar para embarcar nessa jornada?

Como já foi dito, para vender no Marketplace B2B, você precisa ter a sua loja ou marca formalizada no mercado. Isso significa correr atrás de todos os trâmites legais, como registros, inscrições e impostos, para fazer o cadastro inicial. Lembre-se de que algumas plataformas exigem representante jurídico e comercial, para gerir notas fiscais e pagamentos ou receber possíveis processos.

Tendo o seu negócio em dia, você precisará se organizar para gerir o seu e-commerce dentro do Marketplace. É necessário verificar o seu estoque ou capacidade de produção, assim como fornecedores, logística, preços, prazos e garantias. Tudo deve ser planejado com antecedência, para que nada saia errado durante o processo de venda.

Como os clientes que navegam por sites grandes de compras geralmente estão mais inclinados a concluir a compra, você precisará verificar se o seu estoque é consistente e se consegue atender a todas as demandas do Marketplace. Possuir itens de pronta entrega é o melhor recurso para obter bons feedbacks e ganhar visualização dentro da plataforma.

Também é necessário ter um sistema de integração de estoque para o seu pedacinho de e-commerce ou, pelo menos, ter tudo preenchido corretamente em uma planilha de Excel. Assim, é possível facilitar a importação das mercadorias para o site. Além disso, é bom ficar de olho no seu processo de logística. Algumas plataformas oferecem um serviço para te ajudar na distribuição, mas nem todas são tão completas. Por isso, tenha sempre o contato de alguma empresa de entregas de confiança, para atender às demandas em dia.

Três fileiras de carrinhos de compras de mercado cromados com detalhes vermelhos.
Benefícios para o vendedor

O ranqueamento em ferramentas de busca é um excelente atrativo para o vendedor também. Claro, o Martins Atacado aparece antes nas pesquisas do Google que a mercearia do seu bairro. Como competir com empresas gigantes sem ter estrutura, muito menos recursos para investir em divulgação? No Marketplace não existe esse problema. Somente a qualidade da empresa pode dar a ela visibilidade diante dos clientes.

Mesmo para quem está começando, a solução é válida, pois caberá somente ao profissional fazer com que suas vendas tragam satisfação para seus consumidores e gerem resultados. Quanto melhor o serviço, mais alta será sua pontuação e, consequentemente, maior será a exposição.

Quatro pessoas sorrindo e unindo as mãos no alto. Elas estão sentadas em uma mesa.

O Marketplace permite que o pequeno empresário venda online sem depender de e-commerce próprio, o que é um ótimo benefício para uma fase inicial do empreendimento. Basta ter uma empresa aberta e oferecer as melhores soluções.

Fique atento aos mitos sobre Marketplace para B2B!

Diferentemente do que encontramos por aí, não existem barreiras geográficas ou de tamanho do negócio para se cadastrar em um Marketplace. As exigências são apenas estar com o CNPJ em dia, emitir notas fiscais e preencher os dados corretamente.

Entre alguns mitos sobre o Marketplace B2B, podemos encontrar:

  • Ter a empresa localizada em regiões específicas;
  • Ter uma empresa de grande porte;
  • Possuir um e-commerce antes de se cadastrar;
  • Possuir fabricação própria.

A tecnologia vem transformando a realidade das pessoas e das empresas nos mais diversos setores. O mercado online é uma das melhores maneiras de democratizar as relações entre compradores e fornecedores sem barreiras geográficas, de estrutura e financeiras. As portas se abrem para cada vez mais empreendedores!

Agora que você já está por dentro do assunto, pode se adaptar à nova opção de mercado e criar um diferencial para os seus negócios!

O Marketplace B2B está entre as inúmeras possibilidades que a transformação tecnológica oferece para o atacadista. Não perca essa oportunidade de lucrar!

E se o seu negócio é abastecer o estoque, veja como comprar no atacado pela internet.

Deixe um Comentário!

DEIXE UMA RESPOSTA:

Please enter your comment!
Por favor, insira seu nome