Home Segmento Casa Agropecuária Desafios e perspectivas para o mercado pet em 2021
gato e cachorro dormindo no sofá

Desafios e perspectivas para o mercado pet em 2021

0
1558

Sem crise. Assim é definido o mercado pet que tem passado pela pandemia de Covid-19 sem grandes impactos. Pelo contrário, a demanda por produtos e serviços do segmento tem crescido, já que o isolamento social trouxe muito mais proximidade na nossa relação com os pets.

Quem já tem um animal de estimação passou a dar mais atenção ao seu bichinho por passar mais tempo em casa nessa pandemia. Por outro lado, tem os que buscaram uma companhia para esse momento para não se sentirem tão sozinhos durante o isolamento social.

A procura por adoção de cães e gatos foi tanta, que ONGs e protetores de animais de alguns estados afirmam que o aumento foi de até 50%. Esses fatores explicam os motivos pelos quais o mercado pet não passou por crise e sim por oportunidades.

As boas notícias sobre o mercado pet não se resumem à pandemia. De acordo com o Instituto Pet Brasil (IPB), somente entre 2015 e 2019 o número de empresas atuantes no varejo e serviços pet saltou cerca de 17%. Só em 2019 foram contabilizados 252 mil estabelecimentos atuando no setor pet brasileiro.

Se você é do mercado pet, aproveite essa maré, pois a tendência é que o segmento continue em alta. Oportunidade também para quem é de mercearias e supermercados, que pode montar um cantinho dedicado a produtos para cães e gatos e outros animais de estimação.

Mercado pet cresce a cada ano

Para mostrar que o segmento pet está crescendo, fomos em busca de dados sobre o mercado e com a ajuda do Instituto Pet Brasil vamos compartilhar com você essas informações.

Uma delas é que o segmento de serviços para pets – como banho e tosa, hotéis e creches, passeadores, pet sitters e adestramento – é um dos mais promissores do mercado brasileiro.

Apesar de ainda não ter os dados consolidados de 2020, o instituto aponta que o mercado pet brasileiro apresentou projeção de crescimento de 13,5% em relação a 2019.

Os dados dão conta de um faturamento previsto para R$40,1 bilhões no ano passado, 6,88% maior do que a projeção feita nos primeiros seis meses de 2020.

Pet food e produtos veterinários lideram, com alta de faturamento de 22,5% e 16%, respectivamente. Esses números mantêm o Brasil no terceiro lugar do ranking mundial de faturamento. O País está à frente do Reino Unido e atrás apenas dos EUA e China.

Em relação a participação de mercado de cada segmento, pet food representa 50% das vendas. Em seguida por venda de animais direto dos criadores (12,1%) e pet vet (11,8%). Além de serviços gerais (10,4%), serviços veterinários (10,3%) e pet care (5,6%).

A população pet no Brasil, em 2019, é de aproximadamente 141,6 milhões de animais. O número de cães no país é de 55,1 milhões e o de gatos, 24,7 milhões. Peixes ornamentais chegam a 19,4 milhões; aves, 40 milhões; répteis e pequenos mamíferos, 2,4 milhões.

Empresas do segmento

A quantidade de empresas que atuavam no setor pet brasileiro em 2019 era cerca de 252 mil estabelecimentos. Pontos de vendas como pet shops, consultórios e clínicas veterinárias, agro lojas e varejo de alimentos corresponderam a 61,1% dos negócios. O restante dos negócios, por exemplo, é composto por indústrias (0,2%) e criadores (38,6%).

O varejo pet especializado, conhecido como pet shops, representa 32 mil estabelecimentos. A maior parte está na categoria de pet shop loja de vizinhança (79,6%), que se caracteriza por apresentar faturamento médio de R$60 mil a R$100 mil, ter até quatro funcionários e oferecer cerca de 30% de cobertura do mix de produtos pet.

Canais de vendas

As vendas de produtos do mercado pet se concentraram no comércio especializado (80,5%). Já o comércio alimentar, como supermercados, respondeu por 10,8% das vendas.

O comércio eletrônico correspondeu a 3,7% das movimentações, e o comércio direto de animais pelo criador diretamente às famílias foi responsável por 5% das vendas.

Ainda de acordo com o instituto, o número de pontos de venda para produtos pet no Brasil superou 150 mil estabelecimentos. Dentre esses, cerca de 60% pertencem à categoria do varejo alimentar.

Os pet shops, representados por lojas de grande porte, médio porte e de vizinhança, também são expressivos, com participação de 20,7% (mais de 32 mil estabelecimentos).

Produtos pet no supermercado

mulher com cachorro comprando ração

Por que não ter um espaço dedicado aos animais de estimação no seu supermercado? Algumas gôndolas, por exemplo, podem ser suficientes para trabalhar o mix pet na loja.

Já existem supermercados atuando com esse nicho por entenderem que o consumidor aproveita as compras de casa para levar algo para o seu bichinho. E na urgência, eles também acabam recorrendo ao supermercado por funcionar até mais tarde, horário às vezes não praticado por lojas especializadas.

De acordo com o Pet Brasil, a parte de alimentação de animais corresponde 43,8% do faturamento do setor. Produtos de higiene, beleza e bem-estar, 9,75% e produtos veterinários ficam com 5,74%.

A outra fatia é composta de serviços como venda direta de animais, hotéis, creches, adestradores e serviços veterinários, fora do varejo supermercadista.

Apesar da ração ser a maior fatia de mercado do segmento, no carrinho de compras do consumidor não entra apenas produtos relacionados à alimentação do animal. Confira o mix que pode fazer parte dessa seção na loja:

Aproveite para ler o post que fizemos sobre o que vender para os pets durante a quarentena.

Tendências do mercado pet

Cachorro da raça Yorkshire sendo tosado

E para quem atua no mercado pet, vamos dar algumas dicas de alguns nichos que seguem fortes no segmento, como o pet food. Já que as pessoas estão gastando cada vez mais com os seus animais, visando o bem-estar e a qualidade de vida deles, a alimentação está entre quesitos primordiais.

Diante da demanda, diversas opções foram surgindo no mercado justamente para atender o consumidor que quer algo diferenciado para o seu cão. Veja algumas:

  • Alimentação Premium: ração ou alimento de maior qualidade nutricional. Há produtos no mercado sem transgênico, com grãos naturais ou até mesmo livre de grãos. Isso significa que as rações são feitas com produtos mais naturais, com frutas, vegetais, carnes e outros ingredientes;

  • Alimentação Natural: as pessoas estão trocando as rações por comidas naturais com produtos selecionados. Não é resto de comida, tá?! Neste caso, a indicação é que um veterinário indique o cardápio certo para atender as necessidades individuais de cada pet;

  • Alimentação Gourmet: super tendência interessante os produtos gourmets, que são aqueles produzidos em datas comemorativas como Natal e Páscoa. Na lista entram ovos, panetones, chocolates finos e outros. Uma forma de mimar o animal de estimação. Opções também para os aniversários, com decoração, brinquedos, comidas e bebidas específicas para pets. Assim como bolos de aniversário, biscoitos e salgados de festa;

  • Alimentação Vegana: o veganismo já tem feito parte da rotina de muitas pessoas, assim como dos animais, que também precisa ter orientação de um veterinário. Comer menos carne não está relacionado apenas aos alimentos. Há produtos veganos na linha de higiene, utensílios e brinquedos.

Pet Care

Tendência também são os cuidados e mimos com os pets, o chamado Pet Care. Acessórios, produtos de higiene e beleza, equipamentos, brinquedos fazem parte desse nicho. De acordo com pesquisa realizada pelo SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 35% dos donos declararam fazer compras impulsivas para seus bichinhos.

Pet Vet

Segmento que atua no ramo de consultas e venda de medicamentos veterinários. É responsável por 7,7% do faturamento do mercado animal. Além do foco na questão da saúde e cuidados com os pets, oferece soluções em medicamentos que atende desde problemas físicos típicos até questões comportamentais e estéticas dos bichinhos.

Pet Serve

Reúne diversos serviços para garantir o bem-estar dos animais. Na lista estão banho, tosa, hotéis, creches, adestramento, comércio de animais e até mesmo pet sitter, babá para animais.

Essas são algumas tendências que o mercado pet sinaliza para 2021. Apostar no segmento significa continuar lucrando com as vendas, já que as projeções para esse ano também seguem a linha de crescimento.

Ah, temos também outra leitura disponível aqui mesmo no blog, sobre os melhores fornecedores de produtos para pet shop disponíveis no mercado.

Até a próxima!