Home Dicas Covid-19 Varejo pós-quarentena: o que esperar do futuro?
Ilustração de fachada de supermercado. Uma pessoa joga máscara na lixeira, em um cartaz está escrito “Bem vindo de volta”.

Varejo pós-quarentena: o que esperar do futuro?

0
851

A vida pós-quarentena vai mudar. Não tem como ninguém fugir disso. E dentro da vida, tem o varejo, que já está mudando sozinho, antes da quarentena acabar. Você pode até achar que não, que tudo vai se normalizar, mas aí eu te digo: vai mesmo. Só que o normal vai ser outro.

 

É só observar a quantidade de pessoas aprendendo a fazer compras de supermercado em casa. Veja quantas pessoas só pegam um carrinho se ele estiver higienizado. E, pensando no Brasil, infelizmente, o número de desemprego só cresce. É bem difícil dizer que o varejo vai continuar o mesmo no pós-quarentena.

Você está pronto para isso? Se não, hoje você vai dar o primeiro passo: entendendo como o varejo pós-pandemia vai ser. O resto a gente resolve juntos. Podemos começar?

Desenho vetorizado de caixa de supermercado com pessoas usando máscaras na fila

O consumidor pós-quarentena é diferente

O consumidor de antes da COVID-19 era uma pessoa. O de hoje é outra. E o pós-quarentena será ainda mais diferente.

Primeiro, tem a questão dos canais digitais. O supermercado delivery já é uma realidade brasileira há algum tempo. Em 2016, 6% dos 500 maiores do país tinham delivery online. Mercearias e conveniências atuavam por fora dessas estatísticas, já que usavam mais os aplicativo como Rappi, Ifood e UberEats.

Segundo a Nielsen, houve um aumento de 45% em novos compradores no e-commerce. E as compras mesmo, de supermercado, tiveram um aumento na procura de 59%, segundo a Exame.

O consumidor de antes ia ao supermercado. O de hoje pede as compras online. E o cliente pós-quarentena? Será que vai “esquecer” que o supermercado online existe? Acho difícil.

Retomar, reiniciar, reinventar: a vida pós-quarentena

A Nielsen divulgou recentemente um estudo mostrando como será a vida das pessoas – e dos consumidores – terminado o período de pandemia e quarentena.

Basicamente, a consultoria encontrou três grandes “frentes” que mostram como será a mudança no comportamento das pessoas:

  • Fase 1: retomar – é o primeiro momento da vida pós-quarentena. As escolas abrem de novo, o comércio retorna em todo o país sem restrições nem de horário, o uso de máscara deixa de ser obrigatório, etc.;
  • Fase 2: reiniciar – é o momento seguinte. Tudo já ficou pra trás, o foco agora é em recomeçar a vida com zero medo do vírus. Estimativas apontam para que essa fase comece no quarto trimestre de 2020;
  • Fase 3: reinventar – depois de tudo que o vírus deixou, todos os sofrimentos, a vida segue normalmente, mas de um jeito diferente. As relações pessoais vão mudar, e as de consumo também.

E o que isso diz pra nós, do segmento do varejo? Bom, na fase de retomada é necessária uma atenção redobrada às medidas de higienização e limpeza da loja. As pessoas ainda vão estar muito assustadas, então todo cuidado é pouco.

Também é possível prever que a valorização do negócio local e um clima de solidariedade com os pequenos varejistas vai ser forte nessa fase. O que já podemos perceber agora, ainda na quarentena.

Desenho vetorizado de duas pessoas fazendo compras com máscara empurrando carrinhos no supermercado

No final da fase 1 e início da 2, a preparação da sua loja é fundamental para se manter à tona. Será um momento de “segurar o bolso” para a maioria dos seus clientes, então seu faturamento ainda vai sofrer um pouco. Hora de controlar o estoque e ter muita organização financeira.

Notícias de novos surtos, mesmo que isolados e inofensivos, podem fazer com que comportamentos da quarentena ressurjam, como estoque em massa de medicamentos, produtos de higiene e de cesta básica.

A fase 3 é um assunto à parte. A reinvenção vai ser difícil, e como tudo que é complicado, tem impactos no comportamento do seu cliente. Entenda melhor:

Como o consumidor pós-quarentena vai se reinventar

A fase de reinvenção vai ser, por incrível que pareça, a mais complicada. Segundo os estudos da Nielsen, todos os impactos da fase 2 vão se acentuar na reinvenção, que vai começar no início de 2021, provavelmente.

Ilustração de fachada de supermercado. Uma pessoa joga máscara na lixeira, em um cartaz está escrito “Bem vindo de volta”.

Se antes havia um controle financeiro, agora as pessoas mais impactadas pelo vírus vão estar em uma condição bem complicada. Quem perdeu o emprego e a estabilidade no período, ou seja, todas aquelas pessoas que sofreram financeiramente de qualquer forma, ainda vão estar enfrentando uma situação fragilizada.

E é aí onde a coisa aperta pro varejo. Durante a quarentena, ainda há o auxílio do governo, acertos de quem foi demitido, seguro desemprego, etc. Durante a fase de reinvenção, nem tanto.

A Nielsen aponta que a tendência é que essa parcela mais fragilizada da população vai viver com o mínimo necessário. As compras vão ser limitadas ao básico, o que reduz bastante o ticket médio de uma cesta familiar.

A dependência e a preferência por negócios locais permanece, embora em escala bem pequena. O que vai continuar, e com uma escala bem maior, são as compras online. Estamos falando de um momento complicado para a economia, onde muitas famílias podem precisar vender veículos, etc. E nessas horas um supermercado online é a melhor solução.

Como se reinventar no varejo pós-quarentena?

Tem muito o que você pode fazer.

Pessoas em parque após a quarentena. Uma tira a temperatura de um homem. Outra brinca com seu cão e outro segura um frisbee.

Para lidar com o ticket médio reduzido, vai ser necessário investir em sabores mais baratos das marcas, que já se movimentam para criar linhas mais econômicas.

As promoções, embora dolorosas para um negócio fragilizado, vão atrair muitas vendas no pós-quarentena. Elas, aliás, serão necessárias para que a sua comunidade permaneça abastecida.

Fala, Mart!
O investimento no online então, nem preciso te dizer nada, né?

E por último, seus preços: eles vão sim ter que mudar. Sua margem de lucro pode diminuir por pressão do mercado. Se os grandes abaixarem os preços – e eles vão – você também vai precisar. Prepare seu caixa, porque a jornada ainda é longa.

Mas você sabe que eu, e toda a equipe do Martins, estamos do seu lado nesse período tão complicado, não sabe? Nós estamos juntos, não se esqueça!

Diariamente eu posto aqui textos específicos para esse cenário da COVID-19 com estratégias para te ajudar. Com certeza você vai encontrar as respostas para as perguntas que esse artigo te trouxe.

Até a próxima, e fique bem.