Home Dicas Covid-19 Varejo de vizinhança: o que é e como aplicar?
mulher sorrindo e segurando garrafa de vinho, homem parado com as mãos no bolso próximo de balcão de loja, operadora de caixa sorrido do outro lado do balcão próxima de sacola de compras de papel e tablet

Varejo de vizinhança: o que é e como aplicar?

0
713

O que era tendência em 2019 virou aposta certeira: o futuro está mesmo no varejo de vizinhança. Trata-se daquele mercadinho de bairro, o armazém do Reinaldo ali da esquina, onde é possível encontrar de tudo um pouco, de cesta básica até parafusos para a reforma da garagem.

 

Ano passado, escrevi aqui no blog do FalaMart que o varejo de vizinhança era o formato que mais crescia dentro do segmento de supermercados. E agora estamos vendo por que.

Especialistas apostavam no modelo por conta do crescimento urbano e de uma demanda cada vez maior por conveniência por parte do consumidor. Essa descentralização do comércio ganhou ainda mais força durante a pandemia, já que um mercadinho de bairro concentra menos pessoas em seu interior e também diminui a circulação pela cidade.

Mesmo diante da crise, dados da Nielsen mostram que os mercadinhos tiveram um aumento de 9,2% em seu faturamento no período entre janeiro e maio.

Taí a oportunidade perfeita para quem é do ramo investir no que o modelo tem de melhor para fidelizar ainda mais público. Não sabe como? Então fique de olho nas minhas dicas!

homem de máscara parado de perfil no meio de corredor de varejo de vizinhança com refrigeradores na sua frente e gôndola com produtos atrás

Varejo de vizinhança: como fazer seu mercadinho decolar?

A solidariedade da população é outro fator que tem favorecido o varejo de vizinhança. Com a crise da COVID-19, os consumidores abraçaram a causa do comércio local, já que este teria menos recursos que uma grande rede de supermercados para se manter durante um período de instabilidade.

Essa resposta da comunidade é também um reflexo de um dos grandes diferenciais dos mercadinhos de bairro: a proximidade com o cliente, que proporciona uma experiência de compra personalizada que tem sido cada vez mais valorizada.

Proximidade, portanto, deve ser o foco das suas estratégias para impulsionar sua loja e melhorar os resultados. Veja como aplicá-la em diferentes frentes do negócio:

Atendimento personalizado

Cidades grandes e tempo curto são grandes inimigos da proximidade entre comerciante e clientes. Quando se adiciona o distanciamento social na equação, a demanda por um atendimento humanizado se torna maior ainda. Mesmo o mais moderno dos consumidores deseja se sentir especial, não só mais um na multidão.

É aí que o varejo de vizinhança ganha pontos! Talvez não dê para conhecer todos os clientes pelo nome, mas existem algumas estratégias para fazer com que seu público se sinta priorizado.

mulher sorrindo e segurando garrafa de vinho, homem parado com as mãos no bolso próximo de balcão de loja, operadora de caixa sorrido do outro lado do balcão próxima de sacola de compras de papel e tablet

Conhecer bem seus clientes e as necessidades da região ajuda na hora de oferecer um mix que seja exatamente o que sua freguesia busca. Para isso, você pode investir em pesquisas aliadas a uma boa gestão de estoque, que vai mostrar o que sai mais durante um certo período de tempo.

Já os serviços de entrega se tornaram obrigatórios durante a pandemia. Para otimizar ainda mais a experiência, aposte no atendimento à distância e agendamento de entregas, assim o cliente não precisa nem pedir para receber aqueles produtos que consome com regularidade.

Espaço otimizado

A praticidade é outro pilar importante do varejo de vizinhança. Quem recorre ao serviço busca conveniência e o layout da loja deve feito com uma organização que permita que os produtos mais buscados sejam encontrados com facilidade, com acesso simplificado para o consumidor.

Para driblar a falta de espaço em um PDV pequeno, é importante manter as gôndolas sempre organizadas, com planograma estratégico para otimizar as compras. Já ensinei o passo a passo dessa técnica aqui no blog, olha só!

Não se esqueça que o pós-pandemia pede por espaços mais amplos, para que seja feito o distanciamento social. Para facilitar o trânsito dos clientes, coloque placas de identificação nos corredores, adesivos no chão e deixe a área das filas bem delimitada.

Inovação

mão segurando smartphone perto de mesa com caderno, caneta e xícara de café

Apesar de estar associado a tempos mais simples, o varejo de vizinhança não é inimigo das novas tecnologias. Pelo contrário: o mercadinho do futuro é aquele que consegue aliar o melhor da tradição e da modernidade em um único espaço.

Veja só alguns recursos que você pode incorporar agora mesmo:

  • Terminais de autoatendimento nos caixas: para diminuir as filas, agilizar o atendimento, e minimizar o contato dentro da loja;

  • Aplicativos de delivery: Rappi, iFood, James e outros serviços estão aí para quem prefere comprar sem sair de casa, apenas com alguns cliques;

  • Ofertas personalizadas: ao mapear o perfil de compras dos clientes cadastrados, você pode enviar ofertas personalizadas de acordo com os gostos de cada um. É vinho mais barato pra garotada e oferta de fraldas para os pais de primeira viagem!

  • App da loja: o aplicativo funciona como programa de fidelidade, que pode render brindes e descontos, e também uma forma de distribuir cupons e divulgar ofertas;

Divulgação na vizinhança

silhueta de pessoa de perfil segurando megafone próximo ao rosto contra a luz do céu azul

Com tantos benefícios assim, é preciso colocar seu varejo de vizinhança na boca do povo, não é mesmo? Já que o foco do negócio está nos moradores da região, o ideal é concentrar as estratégias de divulgação nas proximidades, outro momento de unir tradição e modernidade.

Engana-se quem pensa que carro de som é coisa do passado. A famigerada propaganda volante já segmentava o público muito antes das redes sociais, circulando onde o público-alvo estava para anunciar ofertas. Com menos gente nas ruas por conta da quarentena, a técnica te leva para dentro das casas de maneira eficiente e barata.

Já os cartazes com ofertas na porta da loja, outra estratégia bem tradicional, ajuda a chamar a atenção de quem passa de carro ou caminha pelo local.

Por último, as redes sociais ajudam a manter o relacionamento com a clientela, levando o atendimento próximo tão característico do varejo de vizinhança para o pré e pós-venda. Outras ferramentas permitem o disparo de anúncios segmentados por região, para que todo o bairro receba suas ofertas!

Bom preço e produtos de qualidade também não podem faltar no varejo de vizinhança, mas isso a gente resolve pra você: conheça as marcas parceiras do Martins e leve o melhor para sua loja!