Vender fiado é complicado. Por um lado, é uma forma de fidelizar alguns clientes, mas por outro, o fiado representa um risco à sua saúde financeira.

Então é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo em que você sabe que os clientes vão voltar, você não tem certeza se eles vão pagar. Muita gente diz que vender fiado, então, é um jogo muito perigoso. Sua base de clientes aumenta, mas o seu risco também. E aí, qual é o veredito?

Com frequência o comerciante de bairro precisa lidar com uma questão importante: vender fiado ou não. É um costume, principalmente para quem conhece os clientes que frequentam a loja bastante – bares, padarias e mercearias são exemplos de estabelecimentos com clientes fiéis – mas será que ele deve ser mantido?

Vender fiado: close de carteira vazia

As vantagens e desvantagens de trabalhar assim

Todo lojista sabe que relacionamento positivo com os clientes é a chave para que eles voltem e prestem atenção em seus produtos e serviços. Vender fiado ou não é uma decisão difícil porque é preciso saber como isso afeta as compras.

Por que vender fiado pode ser vantajoso?

Vender fiado evita que você perca aquela venda ou seja, o cliente termina ali mesmo e não vai procurar em outra loja depois. Fora que, quando você oferece essa forma de pagamento, o cliente se lembra disso e acaba voltando em outras oportunidades de compra.

Para comerciantes de longa data, vender fiado ou não é uma questão de manter clientes antigos. Se eles estão acostumados a ter a possibilidade de fechar as contas ao final do mês, você não vai querer perdê-los para uma loja que ainda venda fiado, certo?
Então vender fiado é vantajoso para o lojista? Não, pelo contrário!

Quais os perigos de vender fiado?

Mulher olha tela de notebook e mexe em calculadora

Saber se você deve vender fiado ou não é analisar os riscos que isso pode trazer ao seu negócio. O primeiro é o cliente simplesmente não pagar, deixando sua loja no prejuízo e ainda, no caso de mercearias e mercados de bairro, perder o produto em si.

Mas nem sempre é o caso: mesmo quando o cliente paga no prazo determinado, você pode ter um ônus quando vende fiado. Atrasos e imprevistos acontecem e o cliente pode acabar não priorizando sua loja na hora de pagar as contas. Aí você precisa correr atrás do prejuízo e cobrá-lo, o que pode também prejudicar a relação com o cliente.

Outra questão é a organização financeira: você tem gastos ao gerir um negócio. Contas a pagar, funcionários, estoque para manter. Se você conta com um pagamento futuro e gasta dinheiro que ainda não recebeu para pagar pela funcionamento da loja, a parte financeira de seu negócio fica confusa e mais difícil de gerir, além de abrir mais oportunidade para prejuízos.

Uma loja precisa de planejamento e fluxo de caixa bem gerenciados e fiado é antônimo disso.

Caderneta, caneta e dinheiro para vender fiado

Quero vender fiado: como evitar situações assim?

Não há como evitar que pessoas deixem de te pagar. Estamos falando de pessoas, então é melhor saber disso antes de começar a vender fiado: o seu risco aumenta, mas sua base de clientes também.

Tentar minimizar o risco com um aumento expressivo de clientes também não é uma saída tão vantajosa assim. Tudo bem, você terá mais clientes se fizer campanhas de marketing voltadas para isso, mas quanto mais clientes aparecem, mais aumentam os riscos.

Vender fiado: homem passando mercadorias em caixa

O melhor a se fazer é tentar cortar riscos onde for possível e tentar diminuir sua vulnerabilidade. Veja algumas maneiras de fazer esse trabalho:

  • Chega de caderneta: faça planilhas e guarde as informações online;
  • Estabeleça bônus e outras ações de fidelização para quem paga em dia;
  • Delimite sanções para quem não paga a tempo, como limitação de valores;
  • Ligações de cobrança quando se passar muito tempo;
  • E-mails também;
  • Oferta de valores menores e parcelamentos para negociação;

Como acabar com o fiado

Agora que você já sabe que a decisão de vender fiado ou não tende para o lado negativo, é hora de aprender a mudar como seus clientes enxergam isso. Pode ser um processo difícil, mas é importante que eles saibam que a confiança entre loja e clientes ainda existe, mas que gerir seu negócio de forma financeiramente responsável é prioridade.

Para isso, existem alguns métodos de evitar perder vendas nessa situação:

pessoa segura cartão bancário azul e estende a mão

Cartões

Aceitar cartões é essencial para que o cliente não desista da compra. Pode ser que ele não tenha o dinheiro em mãos ou ainda não tenha recebido seu salário, mas se ele puder pagar a conta com cartão de crédito, não vai deixar de fazê-la. A organização financeira garante que você receba.

Ter máquinas de cartões de diferentes bandeiras e anunciar que você as aceita é importante. Coloque placas alertando os clientes na loja e na vitrine, assim você ajuda a fidelizá-los.

Além dos cartões de crédito às vista, ofereça opção de parcelamento. Assim, o cliente pode não conseguir te pagar agora, mas enquanto você recebe pelo produto, ele dilui o pagamento em um maior prazo e todos ficam mais satisfeitos. Aplicativos de pagamento e cartões de débito também são interessantes.

Oferecer descontos para pagamento à vista e em dinheiro ou débito pode ser uma forma interessante de fidelizar clientes sem ter que pensar em vender fiado ou não. O cliente aprecia o desconto, mesmo que não seja tão grande, você garante a venda e não fica sem receber.

cliente escolhe maçã no estande de frutas

Como alertar que não aceita fiado

Os clientes vão perguntar sobre a loja vender fiado ou não e é importante que você saiba dizer não. Coloque placas avisando, ofereça diferentes formas de pagamento e lembre-se que essa decisão é para preservar a saúde financeira de seu negócio e os clientes vão entender.

Conheça o Linkedin do Martins.com.br para mais dicas de gestão e controle financeiro!


Deixe um Comentário!